Pular para o conteúdo principal

About Me

Olá, tudo bem com vocês?


    Gostaria de compartilhar um pouco da minha história com vocês, de como aprendi o inglês e toda minha formação. 

    Quero enfatizar que comecei a estudar o inglês aos 17 anos, então não ache que apenas crianças conseguem aprender. Foi através de um intercâmbio cultural de um ano nos Estados Unidos pelo Rotary Club que tudo começou. 

    A partir disto o que era uma paixão se tornou meu vício. 


    Sou formada em Interpretação de Conferência em Inglês pela PUC-SP, com pós-graduação em Interpretação de Conferência em Inglês pela Estácio de Sá, uma segunda pós-graduação em Ensino e Aprendizagem da Língua Inglesa pela Uniso (Universidade de Sorocaba). E diversos cursos de extensão e especialização para sempre aprimorar o conhecimento e oferecer o melhor. Vou citar alguns “ Pronunciation Matters”, HIT “High Intensive Training of Interpreting”, “Pronunciation Course by Cambridge”, “Extensão e Interpretação de Conferência pela I2B (plataforma canadense) among others. 


Gostaram? 

Basta querer aprender e é só começar. 


Bye and see  you!


Clarissa 





Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Como dizer soluço em inglês?

Olá. Vamos aprender uma expressão bem simples em inglês? Como dizer estou com soluço? Muito fácil.

Por que trabalhamos em dupla na interpretação?

Muitas pessoas me perguntam porque sempre vocês fazem um evento em dupla? Nossa! "É um evento de duas horas, você dá conta". Bem, até conseguimos, mas o desgaste cognitivo e mental é muito grande.  Você já parou para pensar o que é uma interpretação?  Temos de ouvir, processar a ideia e transmiti-la em questão de segundos e em outra língua, e na interpretação remota isso se faz mais necessário, pois há possibilidade de queda de energia e perda de conexão e o seu colega tem de assumir.  A cada 20 minutos trocamos de intérprete ou até menos tempo dependendo da complexidade do evento. Então, como realizar esta troca de intérpretes e de informações na interpretação remota? Estando na mesma cabine, combinamos o tempo de troca, cronometramos e damos um sinal ao concabino (a) e assim que surge uma oportunidade fazemos de troca de intérpretes.  Contudo, na interpretação remota temos que estar conectados pelo que chamamos de back channel (recurso utilizado para a comunicação dos conca